Lutzenberger e a materialização da ética ecológica: o Parque Estadual da Guarita (Torres-RS, 1972-1979)

Elenita Malta Pereira

Resumo


Neste artigo, aborda-se um episódio importante na trajetória do engenheiro agrônomo e ambientalista brasileiro José Lutzenberger: seu trabalho paisagístico no Parque Estadual da Guarita, em Torres-RS, entre 1972 e 1979. A partir da análise de documentação inédita de seu acervo pessoal (Arquivo Privado de José Lutzenberger (APJL), argumenta-se que nesse tipo de atividade, ele colocava em prática princípios de uma nova ética humana em relação à natureza. Em seu trabalho como paisagista, concebia o parque sob um ponto de vista holístico: a guarita era um organismo vivo, em evolução, em que os elementos naturais preexistentes deveriam ser respeitados. Dessa forma, todo o trabalho por ele realizado no parque representava a materialização da ética elaborada e divulgada durante os 31 anos de sua militância ecológica.


Palavras-chave


Parque Estadual da Guarita; Parque Estadual José Lutzenberger; História ambiental; Biografia.

Texto completo:

PDF


Indexadores:

 l

http://www.uifactor.org/JournalDetails.aspx?jid=2293#

ISSN Online: 2236-2762 / ISSN Impresso: 1677-0706 

Universidade de Caxias do Sul/Centro de Ciências Humanas/Área de História

Fone: (54) 3218.2167/Caixa Postal 1352/95070.560 – Caxias do Sul – RS – Brasil

E-mail: revistametis@ucs.br